Erros comuns no treinamento

Os erros mais frequentes ao treinar no ciclismo de montanha.

A prática do ciclismo de montanha ou Mountain Bike é uma das disciplinas mais bonitas dentro do ciclismo. O treinamento requer de um verdadeiro planejamento se queremos seguir melhorando, coisa que nem sempre se consegue se cairmos em alguns dos erros mais frequentes dos ciclistas de montanha:

Fazer sempre a mesma rota: é o mais cômodo e fácil, mas a longo prazo fará com que nos estanquemos no treinamento. O corpo se acostuma cedo ao esforço realizado nesse percurso e não se consegue nenhuma melhora física. O melhor é ter sempre uma boa variedade de rotas: mais longas, mais curtas, com morros, planas, de ida e volta, em circuito, etc. Sair com outras pessoas é a melhor maneira de ir conhecendo diferentes rotas.

Tentar estar na frente: outro erro muito frequente que custa muito evitar. É que o amor próprio nos vence e queremos sempre estar entre os primeiros, no caso de sairmos com outras pessoas. O corpo precisa adaptar-se progressivamente aos esforços, e não devemos sair sempre a todo vapor. Sair fazendo pedaladas pouco exigentes também nos faz ganhar resistência, que é um pilar fundamental no treinamento do ciclista.

Sair só nos domingos: provavelmente o erro mais frequente de todos nós. No caso de muitas pessoas, que só podem sair nos domingos, para não perder a forma física é suficiente. Mas caso se queira treinar mais seriamente e obter resultados, é insuficiente. O corpo precisa de esforços contínuos e repetidos ao longo da semana para ir melhorando, caso contrário o rendimento diminui.

Não se hidratar corretamente: outro dos erros mais comuns. Se a rota vai ser curta há muitas pessoas que preferem não levar água e acabam com um pouco de sede. Se a sede aparece quer dizer que começamos a nos desidratar, e nessas condições é difícil ter rendimento sobre a bicicleta. O organismo se desgasta em excesso e não conseguimos treinar corretamente nem obtermos resultados satisfatórios no treinamento.

Não levar uma fonte rápida de glicose: no caso de que soframos a temível e famosa “quebra” do ciclista, que não é nada mais que uma diminuição do nível de açúcar no sangue, o melhor é repor imediatamente a glicose que nosso organismo precisa mediante alimentos de absorção rápida. Umas barrinhas de cereais, biscoitos, bebidas esportivas ou uma pequena caixinha de suco, preferencialmente de maçã, uva ou abacaxi, podem fazer milagres na hora de recuperá-lo de um sobre-esforço.

Não fazer alongamentos nem antes nem depois: alongar antes de treinar é útil para esquentar os músculos e começar a bombear o sangue para eles. Alongar depois evita que os músculos se encurtem, sobretudo os músculos posteriores ou isquiotibiais. O ciclismo é um esporte cíclico, onde o músculo se acostuma a um tipo de contração com uma faixa de mobilidade reduzida, e isto pode encurtar a longitude do músculo. Os alongamentos são imprescindíveis, mesmo que só saiamos uma vez por semana.